17 fev 2010

A Porta e a Gi

101-Dalmatas-e-a-bruxa-ma-a-porta

Sábado, calor arretado, Rio 40 º graus cidade maravilha purgatório da beleza e do caos, causa de ninguém mais querer ficar em casa, mamis que já tinha comprado a porta para substituir a flambada, o Sr. dos Anéis começa a colocar e vem a decepção: A porta era menor, mamis coitada comprou menor, não mediu antes, claro que a mimosa aqui em plena TPM e não bastando com crise de Pânico, dana a chorar, daquele tipo: tudo acontece comido e lá vai choro! Claro nada sem um clonazepam na cabeça funciona. Eis que vem a pessoinha, me abraçar e dizer: Chora não mãe, eu tô aqui! Vai ficar tudo bem! Como? Como pode uma criança de 4 anos (recentemente feitos) de idade, vir consolar tamanha burra velha? Na hora parei o choro, olhei pra ela e pensei: Eu é que devia ser a consoladora! Eu é que devia falar essas coisas!

Pois eu não sei, as nossas crianças estão mais parecendo anjos enviados para alimentar nossas almas já tão cansadas da luta diária. Eu fiquei emcionadíssima, porque ainda depois ela deitou na cama e me pediu pra deitar no colo dela que ela ia me fazer um carinho porque eu tava precisando.

Eu sinceramente não me gabo, nem fico falando as proezas da Gi por aí, porque sei que todas as crianças estão assim ultimamente, nos ajudando muito mais do que nós à elas.

Nesse mesmo dia falei com a Rô do E isso é Glamour? E ela me confidenciou (desculpe Rô), que Pandinha faz a mesma coisa. E eu que me preocupo de não chorar perto dela, porque já tenho essa síndrome e não quero que passe nada pra ela pra no futuro ela ter problemas ou sei lá. Coisas de mãe que se preocupa o tempo todo. Mas a Rô me falou que chorar não tinha problema não, era só explicar que não era com ela e que era comigo mesmo, a criança precisa saber que os pais não são super heróis de ferro e aço.

Daí quando li o email da Rô ai mesmo que desandei a chorar sem culpa, a Gi já não estava mais perto, só que o dia todo ela ficou um mimo só comigo.

É a natureza faz certíssimo ao nos dar essas maravilhas que preenchem a nossa vida de amor!

Eu amo minha filha imensamente!

31 jan 2010

Carta pra Giovanna

Giovanna e Papai Noel E com a onda da Beta de escrever uma carta pra Marília mais nova, como sou mãezona, decidi escrever uma carta pra Gi quando estiver mais velha. Aí vai:Filha linda, você foi feita com muito amor, e quando a mamãe nem tinha mais esperanças de ter uma criança em casa, quando a mamãe já cuidava da Ia (Lígia sobrinha amada), como se fosse dela, então veio você, de supetão, como você sempre fez chegou sem pedir licença e já tomando todos de susto, e encantando à todos.
Meu amor nunca perca essa habilidade de criar, de se fazer presente, de dar amor.Mamãe chorava ao ver sua preocupação com os outros, quando eu chorava por alguma coisa você vinha me consolar, quanta responsabilidade! E você agia como se fosse a coisa mais normal do mundo.

Às vezes a mamãe se aborrecia e brigava com você por causas de bobagens como você falava, mas era para sua educação querida, era para nessas pequenas coisas você aprender como o mundo vai ser com você, e como você deve agir, sempre seja correta com os outros e com a natureza.

Lembra de quando seu avô pegava rolinhas pra você e você as tratava como se fossem suas filhas, mas no final do dia a mamãe fazia questão de soltá-las dizendo que elas tinham que ir para casa, eu sei que você ficava triste, mas era pra você aprender que nenhum ser vivo gosta de ficar preso a nada nem a ninguém, se as pessoas ficam na nossa vida é porque querem e nenhum artíficio vai fazê-las ficarem sem ser por vontade própria.

Tinha uma brincadeira com o seu pai que uma mão era irmã da outra, na vida adulta também é assim filha, trate todos como se fossem parte de você, porque o mundo todo é conectado e todos fazemos parte uns dos outros.

Quando você estava brincando com suas amiguinhas e elas queriam algum brinquedo que era o seu favorito e você não queria dar, mas a mamãe com muita calma pedia pra você dividir, era pra você agora crescida saber se doar e dividir com os outros mesmo aquilo que seja muito querido seu, porque se doar é tudo nessa vida querida, não importa se as pessoas vão agir do mesmo modo que você, o importante é o que seu pai sempre disse: Fazer o bem sem olhar a quem, e não esperando nada de volta.

Quando seu pai plantava grãos de feijão e sempre lhe chamava para ver o crescimento da plantinha, era para te mostrar que tudo começa pequeno e pode crescer, nada aparece já perfeito ou pronto, é como a sementinha vai crescendo aos poucos, por isso é preciso plantar seu grãozinho na vida, regar, cuidar, para que possa crescer forte e um dia se tornar uma árvore. Assim são seus sonhos na vida linda.

Lembra quando a gente enchia você de beijos e te chamava de princesa, jamais se esqueça disso, você é a nossa princesa e sempre vai ser, e vai ser princesa na vida, nunca deixe que te digam que você não consegue, siga seus sonhos até o fim, mesmo com os percalços do caminho, siga em frente.

Todos os filmes de princesa que você viu, e as fantasias que a mamãe rodava o mundo para conseguir e você vestir, foi para você exercitar sua imaginação, então aproveite esse mundo de idéias, e lembre-se que você sempre insistia em quando contávamos histórias antes de dormir que no final tinha que acabar com os felizes para sempre. Pode-se ser que os felizes para sempre não é o como você imaginava que devia ser, mas com certeza vai ter sempre um final feliz para você se você principalmente se você tratar todo mundo bem, com dignidade e respeito.

Pra finalizar filha, nunca se esqueça do quanto você foi amada, e repasse esse amor pelo mundo.

Beijos de sua mãe.

27 nov 2009

COMO É GRANDE O MEU AMOR POR VOCÊ!

Postado em: ComportamentoMaternidade

Sobre minha filha, amor de mãe, amor que eu tenho por minha filha

Essa é a Gi, meu sonho, minha vitória, minha cópia, minha vida.

Eu venho tentando falar dela há muito tempo, mas não consigo palavras pra descrever, eu sou corujona, nem sei como era a vida antes dela, é mais ou menos do tipo “Depois de você os outros são os outros e só!”

Quem é mãe sabe como é difícil falar dos próprios filhos, descrever esse amor é impossível, ainda mais sendo filha única. Todas queremos ser uma mãe amorosa, a mãe da minha filha sabe disso kkk

Eu fui mãe aos 34 anos, achava que sabia de tudo porque tinha ajudado a cuidar da minha sobrinha e afilhada (Linda também, super inteligente e etc), mas quando minha filha nasceu eu fiquei toda enrolada, entrei na neura que não sabia nada, que não ia ser boa mãe por causa do despreparo e etc. Mas as coisas foram evoluindo e eu aprendendo, claro que minha mãe, minha irmã e as especialistas de plantão me ajudando. E incrível ver a evolução dos filhos, os primeiros meses, o primeiro ano, segundo e terceiro e lá vai fumaça.

De longe fisicamente ela é parecida comigo, é cara do pai, mas o jeito dela é igualzinho ao meu, adora cremes (eu não posso colocar que ela quer também), batom então é a vida dela, se puder tá sempre de vestido, há pouco tempo foi ao supermercado comigo vestida de Branca de Neve, imagem só?!

Mas nem tudo são flores, a gente se preocupa com tudo, com os resfriados, febres, se cair, se uma coleguinha não gosta dela, se os professores tratam bem, mas esses momentos é que nos fazem mais mães ainda, porque somos leoas, ninguém mexe com a nossa cria.

Vou falar mais dela, por enquanto é só pra vocês conhecerem a pequena, e por essa foto já dá pra ver que vai ser uma fashionista de plantão, assim como minha sobrinha, outra que eu não largo do pé, amigona, minha web designer e ainda me chama de dindinha.

Pois é tenho dois amores em minha vida!

Façam comentários dos seus filhos nesse post, gostaria de conhecer todos! Vamos nos unir, mães corujas do mundo blogueiro.

Até mais!